Domingo, 4 de Fevereiro de 2007
NÃO HÁ NADA MAIS COMOVENTE DO QUE UM RECÉM-NASCIDO

Os dedos que se apertam com força em redor do nosso indicador quando lhe tocamos na palma da mão, as orelhas tão pequeninas, mas cheias de personalidade, o nariz, às vezes só uma bolinha pequenina, outra vez tão definido e «adulto», a boca que chucha com a força de uma ventosa.

Os recém-nascidos não se podem ver só com os olhos, é preciso percorrer-lhes as feições, como se percorrêssemos no mapa o traçado de uma estrada.

E depois, começar a (re) conhecê-los, hora a hora, dia a dia, para descobrir que, mesmo quando os nossos bebés já têm vinte ou trinta anos, ainda olhamos para eles como se os víssemos pela primeira vez.

Os recém - nascidos não são decididamente uma tábua rasa, em que inscrevemos aquilo que nos apetece, nem massa que moldamos a contento ou se forme segundo a nossa vontade. E é esse o seu maior fascínio.

Os nossos recém-nascidos já têm um passado que tantas vezes preferimos ignorar, na certeza de que aquilo que não vemos não existe.

Se Nossa Senhora entrasse em muito bom consultório obstétrico ou maternidade a dizer que sentia o «menino a saltar-lhe de alegria no ventre», seria recebida, na melhor das hipóteses, com um sorriso condescendente.

Dir-lhe-iam que um feto não tem tais sentimentos e que os «saltos» eram provocados por um qualquer problema digestivo ou outra razão muito técnica e cinzenta, muito clínica, muito médica, mas muito, muito longe da realidade…

E se até agora era sempre a nossa palavra de mães contra a deles, a dos «especialistas», o cenário está a mudar.

Documentários como a VIDA NO VENTRE, transmitido na televisão mostram-nos um feto que pestaneja intensamente quando está assustado, que ensaia pontapés e brinca com o cordão umbilical, que chucha o dedo para se acalmar, que se agita e reage à dor e, sim, que sorri.

Pode não dar jeito a algumas pessoas que assim seja, mas assim é. O feto invisível revela-se e prova aquilo que pressentíamos: que existe antes de ter registo no cartório notarial da esquina.

Quando olhamos o feto a flutuar no líquido quente do seu espaço, o corpo da mãe a amortecer os embates do mundo, quando sabemos com cada vez mais certeza, a influência do «primeiro encontro» entre mãe e filho, perguntamos com que direito é que continuamos a tornar tão difícil o momento do nascimento.

Ao ver o feto aninhado, o ritmo do coração a embalá-lo, percebo porque é que, aparentemente, não temos memória desses tempos.

É que, se nos lembrássemos, corríamos o risco de querer urgentemente para lá voltar.

 

Isabel Stilwell

(“Notícias Magasine”).

 

 

 

 

 



Semeado por saozinhasimoes às 16:33
link do post | Deixe uma semente | favorito

Julho 2012
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6
7

8
9
10
11
12
13
14

16
17
18
19
20
21

22
23
24
25
26
27
28

29
30
31


Sementes já semeadas

Julho 2012

Fevereiro 2012

Dezembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Abril 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Abril 2010

Março 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

Novembro 2006

Outubro 2006

Setembro 2006

Agosto 2006

Julho 2006

Junho 2006

Maio 2006

Abril 2006

Março 2006

SEMENTES DA AMIZADE